ghost image share redes sociais
Image
Image
27 MARÇO | 21:00

_

Armazém 22
Ouvrir le temps

Evento

«Ouvrir le temps (Times to be opened)» é uma conversa subtil entre a dança de Eva Klimackova, o olhar do artista visual Laurent Goldring e a poesia de Ghérasim Luca. É criada uma ligação enigmática entre gestos e palavras: séria e absurda, entre aparência, desaparecimento e desfigurações. Sentir, mover, perceber, dizer se torna de repente as operações para descobrir a infinidade de estranheza do ser humano. A beleza deformada e estranha do movimento é perfeitamente ressonante com a maneira como Luca esculpe e corta a linguagem. Eva Klimackova e Laurent Goldring compartilham a mesma necessidade de qualidade, tanto no movimento quanto na imagem. É com base nisso que eles criaram o «Ouvrir le temps (Times to be opened)», dando continuidade às pesquisas de Eva Klimackova para um vocabulário de movimentos totalmente pessoal, e de Laurent Goldring noutras visões possíveis do corpo. «Ouvrir le temps (Times to be opened)» é esse tempo específico necessário para aprofundar o movimento e a visão e é esse tempo que é proposto ao espectador.

Bio

Eva Klimackova
Eva Klimackova é bailarina, coreógrafa e professora nascida na Eslováquia, com sede em Paris desde 2001. Estudou na Academia de Artes Cénicas de Bratislava (1995 - 2000) e no departamento de Dança da Universidade Paris 8. Por muitos anos, pratica Improvisação de contato, Tai chi chuan e Body Mind Centering.
Participou em diversos projetos, em colaboração com outros dançarinos, músicos, artistas visuais, atores, artistas de circo e coreógrafos nos seguintes países: Eslováquia (Anna Sedlackova, Studio tanca, Milan Kozanek, Kata Mojzisova, Marta Polakova ...), República Checa (empresa Dejadonné - Simone Sandrony, empresa Duwadance), França (investigações de Kubilai Khan, Laurent Goldring, Faustin Linyekula, empresa Petite Fabrique, cie Dernier soupir…), Bélgica (empresa Dame de Pic - Karine Ponties, David Hernandez, Lise Duclaux)…
Ensina regularmente dança contemporanea, improvisação e Improvisação de contato: em Paris (Ménagerie de verre, Rencontres chorégraphiques Internationales de Seine-Saint-Denis, Micadanses, Canaldanse), no CCN d'Orléans - Jozef Nadj, em Grenoble (Le Pacifique - CDC) , no CESMD La Rochelle e Poitiers, em Bruxelas (catástrofe Espace, Lasterstudio, Jett), em Praga (ProArt, Dot 504, Druna), na Eslováquia (Elledanse e Lab1 em Bratislava, conservatório nacional em Banska Bystrica), no Vietnã (National conservatório), Centre Arhea em Bellac (pessoas com deficiência mental), para o Studio Kabako (Congo)…
Em 2007, fundou a empresa E7KA (com sede na França) e criou as seguintes performances: Alzbeta Hlucha (2007), Alzbeta (2008), Ivanuska (2009), Touch.ed (2011), o díptico MOVE / (2013) em colaboração com Laurent Goldring Ouça le temps (2016), PURE / (2017) e TRACES (2019) apresentados na França, Bélgica, Eslováquia, República Tcheca, Eslovênia, Alemanha, Letônia, Hong Kong.


Laurent Goldring
Após estudos de filosofia na École Normale Supérieure (Paris) e City College (Nova York), Laurent Goldring voltou-se para o trabalho artístico cruzando os campos das artes visuais, vídeo, fotografia e cinema.
O seu trabalho ganhou interesse imediato. Uma exposição pessoal no Pompidou, em 2002, com curadoria de Christine Van Assche, um retrato de Jacqueline Caux seguido de dois artigos de Laurence Louppe e Laurent Goumarre no Artpress; uma entrevista com Cyril Beghin e Stéphane Delorme e uma peça de Françoise Parfait adicionando ao seu crescente reconhecimento.
Goldring foi rapidamente apresentado em grandes eventos: Bienal de Veneza (Der Bau e Saltos Coletivos, 2016), Garage, Moscou (Collective Jumps, 2016), Le Bal (Cesser d'etre un, 2016), Jeu de Paume (Broken Loops, 2014), MOMA PS1 (La Rencontre, 2014), Fundação Gulbenkian (Sculpture mobile #4, 2002), Musée National d’Art Moderne (Expo N°26, 2002). Hoje Laurent Goldring aparece em coleções de prestígio, incluindo o Museu Nacional d'Art Moderne (Sans titre adquirido em 1989, Petite chronique de l'image (1995/2002) adquirida em 2003, 24 imagens na segunda aquisição em 2013). As suas imagens do mundo da dança influenciaram muitos coreógrafos. Goldring esteve diretamente envolvido com a criação de shows de Xavier Le Roy, Blut and Boredom, Ectoderme e Self-Unfinished (1996-1998), e por Maria-Donata d´Urso, Pezzo 0 (uno and due) (2002). Aí então co-assinou o trabalho com Benoit Lachambre, Saskia Holbling e Louise Lecavalier, as peças the rrr… (reading readings reading) (2001), Is you me (2008) e Squatting Project (2012-2016). Com Germana Civera, criou Figures (2008), com Isabelle Schad, Unturtled (2009/2012), Der Bau (2013) e Collective Jumps (2014), e com Eva Klimackova, Ouvrir le temps (2014). Após exposições em Le Bal (Paris) e Garage (Moscou), em 2017, o Palais de Tokyo exibiu uma monumental instalação de vídeos loops do seu corpo.

partilha

© Vivarium 2018

Image