ghost image share redes sociais

© Divulgação

© Divulgação

© Divulgação

© Divulgação

Image
Image
Image
Image
28 MARÇO | 21:00

_

Maus Hábitos
Mala Noche

Evento

Maus Hábitos recebe na sua galeria algumas fotografias da exposição Mala Noche de Antoine D’Agata, projeto desenvolvido pelos Encontros da Imagem em Braga que tem trazido a Portugal grandes nomes da fotografia desde 1987. A brutalidade das formas e a intensidade da visão de Antoine d’Agata atraem o espetador a entrar numa outra realidade, que o autor faz crer de essencial. Em deriva pela vida noturna, Antoine d’Agata expõe corpos em abandono total, procurando revelar uma rutura pela mistura de corpos e sentimentos, ao registar fragmentos da sociedade que escapam a qualquer vista superficial da realidade.

"Ter procurado viver com aqueles que até agora a fotografia se contentava em olhar. Ter tentado dizer o que não foi dito: que não é aceitável que o fotógrafo seja apenas um voyeur. Ter tentado ver o que não foi visto. Ter tentado fazer das situações vividas uma obra, por mais imperfeita que seja. Nunca ter renunciado viver, tomando a fotografia como pretexto. Ter querido abolir qualquer distância com o meu subjecto. Ter querido por em prática, por minha conta e risco, uma verdade sabida: o mundo não é feito do que vemos, mas do que somos." Antoine D’AGATA

Bio

Nascido em Marselha, Antoine d'Agata deixou a França em 1983 e permaneceu no exterior durante dez anos. Em Nova York, em 1990, ele buscou o interesse pela fotografia, fazendo cursos no Centro Internacional de Fotografia, onde seus professores incluíam Larry Clark e Nan Goldin. Durante sua estada em Nova York, 1991-92, d'AGATA trabalhou como estagiário no departamento editorial da Magnum, mas apesar de suas experiências e treinamento nos EUA, quando retorna a França em 1993, ele afasta-se da fotografia durante quatro anos. Seus primeiros livros de fotografias, “De Mala Muerte” e “Mala Noche”, foram publicados em 1998, e no ano seguinte a Galerie Vu começou a distribuir seu trabalho. Em 2001, ele publicou “Hometown” e ganhou o Prêmio Niépce para jovens fotógrafos. Continuou a publicar regularmente: “Vortex and Insomnia” apareceu em 2003, acompanhando sua exposição “1001 Nuits”, que estreou em Paris em setembro; “Estigma” foi publicado em 2004, e “Manifeste” em 2005. Em 2004 d'Agata se juntou a Magnum Photos e no mesmo ano gravou seu primeiro curta-metragem, Le Ventre du Monde (A Barriga do Mundo); Esta experiência levou ao seu longa-metragem “Aka Ana”, filmado em 2006 em Tóquio. Desde 2005, sem usar gravatas, Antoine D'AGATA fotografa em todo o mundo. Em 2013, o museu BAL em Paris apresentou “Antoine d'Agata Anticorps”, lançando seu livro “Anticorps” editado por Xavier Barral, que recebeu o prêmio Livre d'Autur no Rencontres d'Arles. Atualmente, ele está preparando um novo livro junto com o filósofo francês Mehdi Belhaj Kacem.

*Coleção Encontros da Imagem Braga

info

partilha

© Vivarium 2018

Image